AGORA PERCEBE-SE!

 

.Um sujeito engravatado entra na lojinha do Abdul, no Martim Moniz, em Lisboa, e olha com desprezo para o balcão escuro, as roupas penduradas em ganchos, as caixas de papelão, os invólucros de plástico aos montes pelo chão...

Abdul irrita-se com o desprezo do tipo e resmunga:

- Está a olhar para a loja do Abdul com cara de parvo porquê? Com esta lojinha, Abdul tem apartamento no Cascais, tem apartamento no Algarve, tem casa no Chiado, tem quinta no campo, tem um filho a estudar medicina nos Estados Unidos, tem uma filha a estudar moda em Paris. Tudo só com lojinha!

- Bom dia, eu sou fiscal das Finanças!

- Muito prazer! Eu, Abdul, o monhé mais mentiroso do Martim Moniz

 

Nota:    -   Monhé é assim: “palavra dada é palavra honrada"

 

Imagem retirada da net