Coimbra é Fado

 

 Num pátio d'inocentes

Serpenteiam gentes

 Cantai guitarras

 Chorai doutores

Oh Coimbra venerada!

 P'la vida Ora vivida

 Ora passada

Colhei saberes

 Em negras vestes

 Escondei dores

 Em falhas académicas

 Dos falsos amores

 Das horas frenéticas

 Silêncio senhoras!

 Silêncio senhores!

 Coimbra é paixão

Coimbra é alma

 Coimbra existe

 Coimbra é de quem resiste

 É canto

 É fala

 É o alimento

 De todo um lamento

 Coimbra é Fado!

Sofia Geirinhas