Desabafo

"Estou triste, desiludido, danado, preocupado. Dizem que não devemos reagir a quente, devemos dormir sobre o assunto.

Não quero.

Quero reagir já, agora que estou furioso, desencantado, irado e pessimista. Se berramos quando dói, se urinamos quando estamos à rasquinha, se amamos quando temos vontade (lá calha), se dormimos quando temos sono porque não escrever o que nos vai na alma quando esta dói, a quente, mesmo correndo o risco de falar mais com a emoção do que com a razão?

Nestes últimos dias só tenho tido coisas que me inquietem, como diz um amigo meu. Foi o presidente da CMC a tirar a palavra a um vereador por este estar a dizer a verdade incómoda para o edil, foi o seu vice dizer que o discurso do vereador era um caso de psiquiatria ( olhem bem o nível de quem nos governa…), foi depois o diário As Beiras ter retirado a coluna de opinião à oposição porque não agrada o estilo das mesmas ao seu estilo editorial,  foi o atraso que a TAP me obrigou a suportar tendo chegado a Lisboa às 22:30 de Veneza tinha ligação para o Porto às 23:15 e o cais 8 só abriu às 11:50 e depois entrámos para o autocarro e esperámos mais 45 minutos até ir para o avião, saímos às 01:00. Não contentes ainda me estragaram a mala e tive de reclamar no Porto e com isto chegar a Coimbra com 3 horas de atraso! Foi saber nesta viagem que uma directora de recursos humanos de uma grande empresa financeira nacional só vê curriculums de candidatura de três universidades, duas de Lisboa e uma do Porto e de Coimbra só vê se não tiver candidatos das outras. Foi hoje de manhã fazer uma caminhada cultural e ver no Penedo da Saudade como se colocam cada vez mais placas de aniversários de cursos com frases de duvidosa qualidade, algumas mesmo com falta de gosto, sem haver quem autorize as ditas, colocadas com argamassa, cimento, espuma, parafusos, brancas, pretas ou cinzentas, enfim parece um cemitério, foi ver como os Sanitários se encontram fechados e o pessoal se alivia na frente dos mesmos. Foi depois o continuar pelo Jardim Botânico e saber que este já teve 50 jardineiros e agora tem… cinco. Para terminar a semana em beleza a Académica conseguiu ser eliminada da Taça por uma equipa do campeonato de seniores, o Pedras Salgadas.

Foi a gota de água.

O acumular de coisas negativas deixou-me descontente mas aguça a lucidez. Coimbra é cada vez mais um local a definhar, a encolher, com pouca auto estima, governado por executivos medíocres com atitudes vexatórias, com pouco escrutínio e com uma imensa mansidão e conformismo até da própria imprensa local. De Lisboa cada vez mais os problemas de fora são secundarizados e o tratamento é diferente. Se és de fora aguenta, se queres estar dentro tens de ir para lá desde o 12º ano que a Universidade lá do interior não nos interessa. E cá andamos com a inércia de sempre, com as queixas de sempre, com os limitados de sempre. Até a Académica tem definhado. Este ano, e só estamos em Setembro, já saiu da Taça da Liga, da Taça de Portugal e no campeonato em 15 pontos conquistou 6… e não tem jogado nada bem.

A cidade, o seu clube mais representativo, a imprensa regional, a forma como nos tratam fora daqui, a forma como nos vêem, tudo numa mansa mediana que não augura mais do que um presente sofrido e um futuro incerto. Por isso estou triste e por isso quis hoje falar. Mas o carpir acaba hoje. Porque amanhã começa um novo ciclo, um dia novo, de uma semana nova de um mês a estrear. E nele eu vou continuar a lutar por uma Coimbra melhor, com menos inércia e com mais ambição, menos mansa e com quem diga que o rei vai nú sem ter de lhe pedir desculpa.

Por essa Coimbra lutarei sempre, amanhã é só um recomeço.

 

Rui Rodrigues

Coimbra"