Visitas a parturiente

 

Veio menina rosada, ao mundo,

aparada em casa, modesto leito,

e logo no seu primeiro segundo,

a mãe aquece e aperta ao peito.

 

Viram na cara materna, profundo

um medo, desta sociedade, efeito,

sentimento que calava bem fundo,

da filha ter uma vida de igual jeito.

 

Fora caso, a mãe, pela janela, deitada,

ao ver uma mansão onde trabalhava,

pressentiu para a filha, fatal viver aflito.

 

Decidiu lutar contra a sorte predestinada,

de vir a ser serviçal, ninguém, sem  nada,

do filhote daquela  mansão, podre  de rico.

 Edgard Panão

( in, Memorias Um Tempo jovem)

Pintura -     Sandro Botticelli (Florença, 1º de março de 1445 – 17 de maio de 1510)