Assim. NÃO

..

Como diz o povo, estou pior que estragado. Saí do campo com uma beiça de todo o tamanho, uma dor de se lhe tirar o chapéu, e, uma raiva acumulada por aquilo que se passou em campo.

Almocei, dormi uma soneca sobre o acontecido, e, menos agressivo, aqui estou com os meus comentários.

A Académica começou a querer jogar bem, mas a agressividade do adversário, com a complacência do árbitro a dar forte e feio no osso, cortava sistematicamente todas as tentativas de progressão das avançadas. Além disso, a falta de imaginação do meio-campo da equipa da casa para ultrapassarem a barreira que o treinador do Santa Clara postou à frente do guarda-redes da equipa tramou igualmente o avanço da Briosa em condições de marcar golos.

Um outrossim, que não me agrada abordar, foi a substituição prematura de José Castro. Ninguém desconhece a mais-valia que poderia – ou poderá – ser para a qualidade da equipa, mas pô-lo a jogar em condições de semi-lesionado é correr riscos desnecessários uma vez que, como aconteceu, obriga a substituições fora de tempo , ou do tempo previsível

A segunda parte do jogo correu melhor, mas os jogos ganham-se com golos e não apenas com “tentativas”, ainda por cima ténues.

Notório, e o árbitro não fez nada para o contrariar, foi a “palhaçada” contínua do guarda-redes do Santa-Clara, volta e meia a ficar estendido no terreno a simular lesões. Um último “remoque”: Bruno Paixão tem de ser proibido de arbitrar jogos da Académica, principalmente quando a Briosa actua contra equipas que vestem de vermelho, não sei se me entendem.

Na verdade, a arbitragem de Bruno Paixão e do seu auxiliar do lado da bancada sul foi uma mentira, que tramou, e bem, a necessidade de vitória, ou pelo menos de empate, da ACADÉMICA,

E lá se foram três pontos!

 

Relatando:

A briosa sofreu a segunda derrota caseira na edição desta época, ao perder por 1-0 na receção ao Santa Clara.

 

O único golo da partida foi apontado aos 23 minutos, por Pacheco, na sequência de um canto, vendo assim a Briosa interrompida uma série de quatro jogos consecutivos sem perder, com três vitórias e um empate.

A equipa açoriana entrou dominadora no jogo, principalmente em termos de chegas-par-lá violentos, fechando os caminhos para a sua baliza, de tal forma que nos primeiros 15 minutos a equipa da casa praticamente não incomodou.

O primeiro sinal de perigo dos açorianos surgiu aos sete minutos, por Fernando, que surgiu isolado perante o guarda-redes Ricardo Ribeiro, que conseguiu roubar a bola ao avançado.

Aos 23 minutos, na sequência de um pontapé de canto, Pacheco, ao segundo poste, sem “companhia”, ditou a sorte do jogo..

Mesmo em cima do intervalo, a Briosa teve de efetuar uma substituição forçada, com a saída, por lesão, do central Zé Castro e a entrada de Yuri.

Na segunda parte, a malta das casa entrou com outro arreganho, e, aos 48 minutos, João Real teve a igualdade nos pés, também na sequência de um pontapé de canto, mas a bola saiu por cima da trave, quando estava com a baliza à sua disposição.

O Santa Clara poderia ter aumentado a vantagem aos 56 minutos, por Rafael Batatinhas, que seguiu isolado para a baliza, mas permitiu a defesa do guarda-redes Ricardo Ribeiro.

Até ao final, as oportunidades de golo escassearam, sendo que, aos 76 minutos, Alan Júnior se isolou, mas adiantou a bola e permitiu um corte da defesa açoriano.

Já no período de descontos, os jogadores da Académica reclamaram, e bem, uma grande penalidade por mão na bola de um atleta do Santa-Clara, mas o árbitro Bruno Paixão tinha de ser - não atendeu os protestos.

 

Jogo no Estádio EFAPEL.

Académica - Santa Clara, 0-1. Ao intervalo: 0-1 (marcador: Pacheco, 23 minutos.

Equipas:

- Académica: Ricardo Ribeiro, Mike, João Real, Zé Castro (Yuri,44), Nélson Pedroso, Dias, Guima (Alain Júnior, 64), Chiquinho, Luisinho, Marinho (Piqueti, 64) e Djoussé.

 

- Santa Clara: Serginho, Vítor Alves, Accioly, João Pedro, João Reis, Diogo Santos, Minhoca, Pacheco, Rúben Saldanha (Pineda, 90+1), Rafael Batatinha (Kaio Fernando, 68) e Fernando (Paulo Clemente, 83).

Árbitro: Bruno Paixão (AF Setúbal), com uma actuação tendenciosacom prejuízo evidente da Académica.

A-CA-DÉ-MI-CA

ACA-DÉ-MICA

ACADÉMICA

Foto de Pensar A Académica.