Editorial 20-01-2017

 

Acrobacias

 

Desde que a geringonça se fez governo, e não luz – interprete cada um a seu jeito -, as desgraças não deixam de acontecer: foram os incêndios de Junho e Outubro, com Costa a banhos e desinteressado do que estava a acontecer a mais de uma centena de mortos.

Ainda com tantas mortes atravessadas no peito, aconteceram, também lamentavelmente, as das datas festivas tristemente assinaladas: Natal e passagem do ano.

Como uma desgraça nunca vem só, e não há duas sem três e por aí abaixo, veio o incêndio de Vila Nova da Rainha, cujos porquês e culpas não vou indicar e, menos, discutir. Aconteceu, e está dito. Infelizmente.

O subsolo das minas de Pejão está a arder. O aquecimento da região pode criar dificuldades à população. Quem lhe acode?

Com chuva e frio, os alentejanos, de tanto baterem o queixo, provocaram uns pequenos sismos que começam a aproximar-se de Lisboa. Bem idos, dirá muito boa gente, bem idos amigos sismos, mas quedai-vos por lá, ou, quando muito, não ultrapasseis a fronteira de Rio Maior. Cautelas e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém.

Monte Real vai ser integrado no concelho de Coimbra. Machado prometeu e o aeroporto, já aprovado pela AR vai ser uma realidade. Monte Real, em relação a Coimbra, funcionará como um enclave, talqualmente Cabinda em relação a Angola. Diz-se, ainda, que a ligação entre o aeroporto de Monte Real e o aeroporto Bissaya Barreto – para dar a ideia que foi neste que os aviões vão aterrar, se fará por pelo “Coimbra Airport Shutle”, uma coisa que não se sabe bem o que é, mas que, pelo nome, deve ser de alta relevância. Aliás, temos cá uma ideia mas há que maturá-la,..

O desassoreamento do Mondego corre a passos largos, antes que o Passos volte, por muito que o Rio não queira.

A autoescada dos Sapadores (bombeiros) só sobe até aos 30 metros, tendo pouca utilidade do combate aos incêndios de torres como as da Solum e outras.  Por isso já se anda por aí a contestar a ideia de pôr cabras sapadoras a limpar a floresta. Não se percebe porquê.  Ou até sabe….

Para desanuviar, valha-nos o movimento “MeToo” que desencadeou uma revolução: as mulheres saíram à rua a denunciar terem sido vítimas de assédio e violação.

Violação, é de condenar, e muito; agora assédio, ou melhor, tentativa de sedução, que mal há nisso? Não se está a criar um neopuritanismo? Penso que sim, mas as manas Mortágua, de certeza, têm a resposta “certa” na ponta da língua.

ZEQUE