Schmeichel tentou salvar dono do Leicester: «Não havia nada a fazer»

Foto-Reuters-Darren-Staples.jpg

É um relato impressionante, de alguém que não consegue esquecer «todos os detalhes» do trágico acidente que resultou na morte do dono do Leicester, Vichai Srivaddhanaprabha, e outras quatro pessoas.

Kasper Schmeichel viu de perto a queda do helicóptero, e em entrevista à «Sky Sports» deixou o relato dessa noite.

«Infelizmente lembro-me de tudo. De todos os detalhes. Recebi a visita de familiares, da Dinamarca, e levei-os a dar uma pequena volta pelo estádio. O helicóptero era sempre uma grande atração. Acenámos e começámos a ver o helicóptero subir. Já tinha visto aquilo centenas de vezes, era quase um ritual. Dava para perceber que algo estava mal», começa por dizer.

«Saí a correr do túnel e dei a volta para aquele lado do estádio. As pessoas que estavam por ali não perceberam o que aconteceu, e eu comecei a gritar para chamarem a polícia, e um dos seguranças veio atrás de mim. Tentámos aproximar-nos, e o segurança até se aproximou mais do que eu, tentou fazer algo. Mas tornou-se evidente, pelo calor, que não havia nada a fazer. E sim, foi horrível sentir essa impotência», acrescentou- Schmeichel.

o guarda-redes do Leicester faz ainda questão de expressar a gratidão que ficou, tendo em conta a confiança que o patrão sempre lhe transmitiu.

«Passei de nove clubes num curto espaço de tempo para um clube em oito anos. Estava à procura de alguém que acreditasse em mim, e ele acreditou, tal como a família. É fácil alguém deixar-se levar por este mundo de dinheiro e fama, mas ele era alguém que tinha tudo isso e não queria saber», afirmou. 

 

 

É um relato impressionante, de alguém que não consegue esquecer «todos os detalhes» do trágico acidente que resultou na morte do dono do Leicester, Vichai Srivaddhanaprabha, e outras quatro pessoas.

Kasper Schmeichel viu de perto a queda do helicóptero, e em entrevista à «Sky Sports» deixou o relato dessa noite.

«Infelizmente lembro-me de tudo. De todos os detalhes. Recebi a visita de familiares, da Dinamarca, e levei-os a dar uma pequena volta pelo estádio. O helicóptero era sempre uma grande atração. Acenámos e começámos a ver o helicóptero subir. Já tinha visto aquilo centenas de vezes, era quase um ritual. Dava para perceber que algo estava mal», começa por dizer.

«Saí a correr do túnel e dei a volta para aquele lado do estádio. As pessoas que estavam por ali não perceberam o que aconteceu, e eu comecei a gritar para chamarem a polícia, e um dos seguranças veio atrás de mim. Tentámos aproximar-nos, e o segurança até se aproximou mais do que eu, tentou fazer algo. Mas tornou-se evidente, pelo calor, que não havia nada a fazer. E sim, foi horrível sentir essa impotência», acrescentou- Schmeichel.

o guarda-redes do Leicester faz ainda questão de expressar a gratidão que ficou, tendo em conta a confiança que o patrão sempre lhe transmitiu.

«Passei de nove clubes num curto espaço de tempo para um clube em oito anos. Estava à procura de alguém que acreditasse em mim, e ele acreditou, tal como a família. É fácil alguém deixar-se levar por este mundo de dinheiro e fama, mas ele era alguém que tinha tudo isso e não queria saber», afirmou. 

 Foto : Reuters/Darren Staples