TOIRADAS

 

Ao que parece o Parlamento derrotou hoje uma proposta de proibição das touradas. O que me impressiona não é o resultado da votação, porém. O que me impressiona é que o Parlamento legisle sobre as touradas. Estranho. As touradas são uma tradição antiga, como tantas outras. Porque é que o Parlamento há-de regular uma tradição que não envolve humanos, mas apenas animais? Ainda se fosse o lançamento de anões, eu comprenderia, desde que se provasse que os anões eram lançados à sua revelia. (Se aceitassem, eu não admitiria a proibição do Parlamento). Mas é uma tradição de lide de animais, e lide é uma coisa especial, é uma lide. Não é que eu aprecie a tourada, que não aprecio. Mas sei compreender uma lide, e a tradição que lhe está ligada, como Ortega me fez compreender. Não é diferente da caça. Faz parte da relação do homem com o mundo animal e com o cosmos.

O que me assusta é está obsessão com o arraisonement do mundo por parte da modernidade. Uma coisa que é infinitamente mais perigosa do que as touradas.

 

José Costa Pinto