Troca de galhardetes

Timpanas.jpg

(Ovos mexidos)

O Ponney já está em grande, lido que é já nas mais diversas partes o mundo e arredores, onde é ansiosamente esperado todos os sábados/ domingos pela malta lusitana e pela muita que conhece a língua portuguesa, “doce” no falar arrevessado alfacinha e das tias do “pecebes”, maviosa no falar norma, o de Coimbra e arredores, menos vila Pouca e outras “bolsas” arrevesadas.

Não admira, pois, a “troca de galhardetes” feita por autores/ leitores do jornal, que mais parecem os escritos das “polícias secretas” que de dois aparentados no saber e no sabor da crítica.

Para melhor se desentender o assunto, pusemos os nacos de prosa em ordem diferente à de chegada, e omitimos a “peças”.

 

MEUS CAROS

 Muito obrigado a todos o que tiveram disponibilidade de me responder sobre o TIMPANAS.

 Registei todas opiniões e sugestões que foram muito agradáveis e de interesse.

 Prometo pedir à minha Gata para eliminar as gralhas, mas que não deixarão de existir quando os pensamentos quase se fundem e nos habituamos ao estilo do outro.

Quero, porém, como já foi entendido que as crónicas são puras narrativas do quotidiano ou do passado.

 O TMPANAS é apartidário – e mal seria se assim não fosse – pelo que dar bicadas que pense vermelho, não quer dizer que na oportunidade não dê ferroadas nos azulinhos, nos laranjinhas ou nos branquinhos.

O que não pode é jogar no mesmo dia em campos diferentes, pois a ubiquidade era um dom de Santo António de Lisboa que agora o Papa vem mesmo reconhecer que é nosso e não é italiano.

 Honestamente, devo deixar aqui um manifesto um pouco amargo para aquela meia dezena que “votou branco” ou se absteve, porque gosto de críticas pois nelas está o aperfeiçoamento do que se idealizou!

Mas respeito o silêncio e não interpreto essa posição numa direcção seja ela de contrariedade ou de apoio, mas apenas isso mesmo: branco!

 Breve, o TIMPANAS vai mandar mais uma crónica.

 

Abraço

 José de Sousa Pai

MEU CARO JQ

 Espero ter dado a reforma às muletas. Ande lá porque o Cortejo está à porta e eu gostava de levar o Timpanas, o Tóino e a Micas ao desfile.

 Quanto à publicação no PONNEY já tive a aprovação dos três e pode divulgar pela  forma que entender e como entender, mesmo que seja em formato de folhanovela.

 Aliás, o Tóino e a Micas até querem uma fotografia emoldurada para colocar na sala de estar da estrebaria, onde estejam com o garboso PONNEY que sempre é da família, mas das ricaças e das nobres,  e eles apenas são da alta escola esfarrapada. Não têm direito a veterinário e por isso vão ao Xico Barbeiro que lhes trata do pêlo e das doenças.

São os motores da sege, enquanto o PONNEY é apenas um pedante, bem penteado e a dar para o finório pois tem a mania que ainda pertence à Academia Coimbrã.

 Já se julga Lente, mas o que ele é um convencido de lentes de sola!

 A tripla também aprovou a ida ao Cortejo da Queima das Fitas, mas ficaram chateados por não lhes ser proporcionado exibirem-se na Garraiada que uns fedelhos charrados e de calções resolveram acabar.

Parece que o Timpanas teve que comprar dose dupla de fava com melaço, bem regadas com as ruivas para convencer a parelha.

O pior foi o Tóino que por causa da sua situação (que breve revelarei qual é a causa da sua tristeza), por vezes escoicinha quando nas brincadeiras lhe descobrem aquilo que ele não gosta que se saiba.

 Mas a minha revelação fica só entre nós e de todos aqueles que quiserem saber…

 Abraço Amigo do Amigo

 JdPais 

: Timpanhas o caraças, Zé. É Timpanas

 

O treino faz bem e há que praticá-lo em todas as variantes porque esquecer de evitar uma simples vírgula pode ajudar a deixar cair o i com a cabeça em cima do dito do descendente do rei do bacalhau vizinho do célebre Oliveira o que não fará jus às alcunhas e diminutivos que foi coleccionando com confessada vaidade no que se parece com o tal Luís de Sttau Monteiro podendo com mérito acrescentar para além de Timpanas também Zé de Sttau Sueco Monteiro ou por ordem que seja mais do seu agrado importando acima de tudo que os treinos resultem em crónicas regulares com edição garantida para leitura prazenteira nas noites de cada Sábado numa folha tradicional coimbrã que um franzino mas enorme lutador ressuscitou em formato electrónico mostrando como a tradição pode ser inovada nunca esquecendo que o fado bem cantado seja académico ou o de uma saudosa Amália nunca deixa cair o i nem do dito nem do TIMPANAS muito menos o do Timpanhas salvo o caso de presença de eventuais ou habituais manhas como o aspirador em substituição do pau-de-cabinda para responder às solicitações de tanta gataria.

Com um Abraço do

Zé T

Claro que sim e eu não deixo ficar mal a gataria, que o digam aquelas garotas que encontrei no funeral de um velho amigo que foi a enterrar na Terça-Feira e que me teceram os maiores elogios – passe a vaidade – mas eu estava a merecer porque lhes diziam que elas estavam cada vez mais bonitas e com a pele macia ao mesmo tempo que afagava as bochechas e os cabelos ao ponto de a minha prima que é mais velha do que eu apenas 4 dias e se reformou como Desembargadora do TR de Coimbra me ter dito que era crime estar a valorizar as ditas e que podia criar problemas caseiros e passarem a irem à discoteca e os marretas dos velhos dos machos ficarem em casa e eu disse-lhe que não pois era mesmo o que gostavam de ouvir e que isso ajudava a encobrir as rugas e afogar a tristeza em que muitas viviam e elas gostavam e diziam que o zequinha que era eu em miúdo era e continuava a ser o gato mais bonito lá da terra até mesmo aquela que eu abracei e que nos tempos idos que era na altura uma cópia da Kim Novak mas para melhor mas hoje tem as respectivas à altura do umbigo o que me deixou triste e com o dito na cota zero quando antigamente bastava pensar para quase disparar e furar o tecto ou explodir por isso não deixei nunca lobo em ceia.

 Inté

Tmpanas

 

Ó Zé

Não foi por mal, embora intencional.

Eu sabia e sei que é Timpanas, caraças!

 

Mas, no passado, e no futuro, o Timpanas tinha, e terá, arte e manhas. Mal fora que não fosse assim!

Em O PONNEY será TIMPANAS, sempre!

De qualquer modo, não esqueças de mimar a tua Gata. Enquanto te enxota as gralhas, pelo menos, prepara-lhe a janta, que isso de ser revisora justifica justa compensação.

Abraço.

MEUS CAROS

 

Obrigado RS (porra que quase era IRS…) pelo incentivo.

 É claro que o JQ pode publicar onde quiser e como lhe aprouver e até adaptar.

O Zé Querido é mesmo um Querido Amigo e eu nele confio!

 Os meus Amigos e inimigos podem divulgar tudo pois o TIMPANAS não tem problemas com isso.

 Vaidoso que é, julga que as palavras carinhosas e doces que lhe dão, o vão estragar!

Já me confidenciou que, lá no fundo, ele até nem tem  muito jeito para aquela prosa, mas um dia convenceu-se e agora não sabe como recuar.

Anda preocupado por poder causar algumas desilusões.

Mas com as fanfarronadas do costume acaba por dizer: que se lixe a asneira e que fique a brincadeira.

 Agora vou ter uma conversa com o Timpanas, com o Tóino e com a Micas pelo que não posso alongar-me mais.

 Até breve.

 JdPais

 

 

Sem “confusões”, vão seguir-se por esses números além os textos que nos forem sendo enviados pelos dois zés (Zé Timpanas, um, Zé, simplesmente Zé, outro).