De braços erguidos

                                                                              In-SofaScore.png 

In SofaScore

A luta pela promoção na Segunda Liga está ao rubro e ficou ainda mais animada depois da Académica vencer o Casa Pia por expressivos 0x3, regressando assim ao pódio, ainda que à condição, num jogo em que a defensiva dos gansos deixou muito a desejar.

 

Temi. Palavra que temi. Na verdade, ver uma equipa, a da casa, entrar a toda a brida e. somo sói dizer-se, encostar às cordas a equipa forasteira e, ainda por cima, ter um jogador adversário que, com maus passes lhe ofereceu dois golos de bandeja, que, por sorte não aconteceram, é mesmo de ficar com o coração mais pequenino que um grão de bico.

Só que, passados uns minutos, as coisas equilibraram-se, e a bola começou a correr ora cá ora lá, com divisão quase igualitária da posse de bola, ainda que com maior pressão da equipa da casa.

Refiro-me, claro, ao jogo Casa Pia vs Académica, 

Coisa rara nos jogos da Briosa, num pontapé de canto a equipa marcou um golo num cabeceamento de Mike que tabelou na cabeça de um jogador adversário, Matheus Dantas.

A partir daí, a equipa de Mika e companhia sossegou e passou a construir algumas jogadas interessantes.

A seguir ao intervalo, os casapianos – a quem também chamam gansos – entrou de novo a todo o gás, mas encontrou uma equipa abnegada que queria vencer.

Numa jogada de contra-ataque, Bouldini foi derrubado na grande-área do Casa Pia, o árbitro assinalou a respectiva grande penalidade, que Zé Castro – benzi-me antes da bola partir – converteu em golo.

A ganhar por dois a zero, controlando bem as situações difíceis, a Académica passou a dispor de mais espaço…

Vieram as substituições… e, zás-catrapus, mais um golo numa jogada bonita, um golo por Mihlali Mayambela, que sossegou a equipa e deu três pontos à Briosa, mantendo aberta a porta da subida.  

 

Com menos coração:

 

Depois de um início de jogo dividido e com poucas oportunidades, - apenas dois remates nos primeiros 20 minutos -, a equipa visitante, a Académica, chegou à vantagem através de um pontapé de canto, graças a um desvio infeliz de Matheus Dantas para a própria baliza. O golo serviu para espevitar o Casa Pia, que esteve por cima até ao intervalo, mas não conseguiu transformar a superioridade em golos. A segunda parte começou da mesma maneira, com o Casa Pia ainda mais forte e a Académica mais recuada, confortável com a vantagem, a não querer sofrer qualquer golo: Vitó, Zolotic e Malik, todos tiveram boas oportunidades para chegar ao empate, mas não conseguiram marcar. A Académica praticamente não incomodava e estava agora reduzida ao contragolpe, mas num desses lances voltou a surgir Matheus Dantas, novamente pelas piores razões: o defesa brasileiro cometeu penálti e permitiu a Zé Castro dilatar a vantagem. Um golpe duro, mas não tão duro como o que aconteceria pouco depois. Filipe Martins procurava agitar a partir do banco e Rui Borges tentava dar outra segurança à equipa com as substituições, mas os efeitos foram opostos e tudo por causa de mais um erro. Desta vez foi Kalechi a perder a bola em zona proibida e a permitir novo contra-ataque, com Mimito e Mayambela, acabados de entrar, a combinarem para o 3-0, que acabou com qualquer dúvida que restasse. Com este triunfo, a Académica sobe ao terceiro lugar da Segunda Liga, ainda que à condição, e responde assim ao triunfo do Feirense.

 

Jogo realizado no Estádio de Pina Manique, em Lisboa.

 

Casa Pia – Académica, 0-3 (ao intervalo: 0-1).

 

Marcadores: 0-1, Matheus Dantas, 24 minutos (na própria baliza); 0-2, Zé Castro, 72 (g. p.); e 0-3, Mayambela, 78.

 

Equipas:

Casa Pia: Ricardo Batista, Sousa, Matheus Dantas, Kelechi John, Jefferson, Diego Medeiros (Fati,68), Vítor Gonçalves (Camilo, 77), Vitó (Christian, 76), Zolotic (Banjaqui, 60), Malik e Saviour Godwin (Jota, 80).

 

Académica: Mika, Fabiano, Zé Castro (Silvério, 88), Rafael Vieira, Mike, Chaby (Mimito, 70), Ricardo Dias, Diogo Pereira, Traquina (Dani, 88), Sanca (Mayambela, 76) e Mohammed Bouldini (Fabinho, 88).

 

Árbitro: Manuel Oliveira (AF Porto). Começou a asnear, mas recompôs-se.

Fotografia: CATARINA MORAIS/KAPTA e AAC/OAF

 

A-CA-DÉ-MI-CA

ACA-DÉ-MICA

ACADÉMICA

SEMPRE E SÓ!

 

BRRIIIIOOOOSAAAAAAAAAAAA!.