Não foi pêra doce:

Académica necessitou do prolongamento para bater o Alpendorada

AAC21.png 

A Académica (Liga SABSEG) sofreu para vencer, este sábado, o anfitrião Alpendorada, da Divisão de Elite da Associação de Futebol do Porto, por 2-1, e apurar-se para a terceira eliminatória da Taça de Portugal: João Carlos Pereira, que se estreou no comando técnica da Briosa, só respirou de alívio a quatro minutos dos penáltis, após um empate (1-1) no tempo regulamentar.

 

A equipa da Académica adiantou-se no marcador aos 14 minutos, por Hugo Seco, e o Alpendorada empatou via penálti no último minuto dos descontos (90+5), o que lhe possibilitou levar o jogo para prolongamento, e Dani sentenciou o encontro aos 116 minutos com um golo feliz.

 

João Carlos Pereira estreou-se no comando técnico de uma Académica com dois pontos em seis jornadas, e viu a sua equipa efetuar uma exibição medíocre e pontuada, por vezes, por uma alguma sobranceria que apenas serviu para manter o Alpendorada na discussão da eliminatória.

 

Os visitantes começaram por dar mostras de que pretendiam resolver rapidamente o jogo da segunda eliminatória a seu favor, com remates de Christian e João Carlos e depois com um lance em que o avançado surgiu isolado diante de Postiga.

 

Toro podia ter marcado aos 10 minutos, mas rematou sobre a baliza, e por fim a Académica materializou a sua superioridade e caudal ofensivo com um golo apontado por Hugo de Seco de cabeça, após cruzamento da direita de Fatai, aos 14 minutos.

 

O Alpendorada deu pela primeira vez um da sua graça a nível atacante aos 22 minutos através de um canto e de um remate e, pouco depois, aproveitou uma displicência da defensiva contrária para se acercar com perigo da baliza de Stojkovic.

 

Depois de uma fase de prudência, os locais conseguiram equilibrar o jogo e chegar mais vezes ao meio-campo contrário e Fábio Rodrigo assustou Stojkovic aos 45 minutos.

 

A Académica adoptou uma atitude calculista na segunda parte, arriscou pouco e por vezes exibiu alguma sobranceria, mas também insegurança, porque o 1-0 foi-se mantendo e o adversário foi acreditando que ainda podia adiar a sua sorte.

 

A esperança do Alpendorada chegou aos 90+5 minutos quando Traquina, imprudente, cometeu grande penalidade, e Marcos Pinto aproveitou para fazer o 1-1 e levar, assim, o jogo para prolongamento.

 

A Académica acabou por ser feliz e resolveu a eliminatória a seu favor aos 116 minutos. Com os jogadores do Alpendorada em falência física, Dani rematou, a bola bateu num opositor e "traiu" Postiga e resultou no 2-1 final.

O novo treinador da Académica tem muito trabalho pela frente para fazer subir a equipa de rendimento e sair da situação muito incómoda em que se encontra no disputa do campeonato da II Liga/(Liga SABSEG).

 

Jogo no Estádio Municipal de Alpendorada, em Marco de Canaveses.

 

Alpendorada - Académica, 1-2 (após prolongamento). Ao intervalo: 0-1. No final do tempo regulamentar: 1-1; e no final da primeira parte do prolongamento: 1-1.

 

Marcadores: 0-1, Hugo Seco, 14 minutos; 1-1, Marcos Pinto, 90+5 (grande penalidade); e 1-2, Dani, 116

 

Equipas:

Alpendorada: Postiga, Portela (Di Maria, 98), André, Marcos Pinto, Carlão, Nani (Miguel Magalhães, 84), Serginho, Pedro Alex, Fábio Rodrigo, Valdinho (Paul, 69) e Garcês (Diogo Gonçalo, 62)

 

Académica: Stojkovic, Traquina, Michael Douglas (Justiniano, 39), Lorenzo, João Lucas (Fábio Vianna, 46), Reko, Hugo Seco (Mimito, 68), Toro (Dani, 81), Fatai, Christian e João Carlos (Costinha, 68).

 

Árbitro: Hélder Carvalho (AF Santarém).

 

Assistência: Cerca de 1.500 espetadores. 

Taca-de-Portugal.png

 Imagens retiradas da net

Fonte: O JOGO