C O I M B RA

 Coimbra17.jpg

 

Não olho o rio

que corre

apesar de meu descuido;

cuido d’outro e subo

por camino duros.

Ao lado da Sé Velha

quieta no longo tempo

vivido

das janelas do Conservatório

trombas pistões trombetas sufocam

com vozes da clave de sol

o tímido falar em fá

de um piano:

mais sol ré mi fá sol lá si dó

se exalta no ar,

mais silencioso se faz

o diluído das teclas

que se transformam

do sol ao dó

dó –

 

No alto das subidas

de quebra costas

a Universidade escuta

a sua voz secular.

Sílvio Castro

(in Gira Mu(o)ndo, Rio de Janeiro, 2003)

Foto de José Magalhães (retirado da net)