ENQUANTO LEIO UNAMUNO

miguel-de-unamuno.jpg

Estou a ler uma obra célebre : "Do Sentimento Trágico da Vida" , de Miguel de Unamuno. O meu domínio do castelhano, não sendo profundo, ainda se revela suficiente para interiorizar a obra na sua língua original.

Que sentimento é esse ? Por que motivo torna a vida trágica ? O sentimento é o do nosso desejo de infinitude, de imortalidadade. E ele é trágico porque , confiando apenas nas forças da Razão, é impossível sustentar essa imortalidade. Razão não é sentimento. Razão é apenas a demonstração possível de que isto parece óbvio e aquilo parece evidente. A Razão diz-nos que dois mais dois não são cinco, mas antes quatro. Mas só diz isto, o que é dizer muito pouco. A Razão demonstra Newton. Mas não sanciona Cristo, porque sobre ele ( ou Ele, como queiram) nada tem a declarar. Nada, senão a comprovação de uma personagem histórica chamada Jesus Cristo.

É por aqui que segue o pensamento do Reitor de Salamanca. O trágico da Vida está, portanto, na tensão entre uma exigência profunda de que a Vida se prolongue tal e qual, individualmente, singularmente, depois da morte, - e a completa impossibilidade de sustentar esta hipótese se apenas nos basearmos no critério racional.

Por isso é que o famoso livro se chama "Do Sentimento Trágico da Vida" . Porque esse sentimento, produto profundíssimo em que mergulhamos as raízes, nos exige que persistamos para além da morte. E nos impõe que essa divinização ( disso de trata) se produza para cada um de nós.

Entendo agora, cada vez melhor, o grito de alerta do Reitor de Salamanca, quando ele nos diz, noutros textos , que a Razão é uma bela coisa para os trabalhos técnicos, para as descobertas científicas e para tudo o que se inclui no casco puramente material das Civilizações. Mas quando ele também nos adverte que é no mais fundo da nossa emocionalidade, no micélio mais radical de nós mesmos, que é aí que se jogam os grandes lances da perplexidade humana.

"Adentro", "adentro" , portanto, "a caminho da última fronteira das nossas emoções,. É a partir daí que mana a Poesia, a Filosofia e até a Esperança de uma Salvação aleatória.

"Adentro" .

Imagens retiradas da net

Amadeu Homem