ESTÓRIAS POPULARES

 Lua.png

Numa noite de Lua cheia

Quando as sombras dançavam

Fantasmagóricas pelo chão

Ao longe, uivava a alcateia

Os pêlos dos braços eriçavam

Ouvindo contar estórias estranhas:

A do homem com as silvas às costas

Caminhando na Lua, permanentemente

Foi tamanha a minha admiração!

Que precisava ouvir muitas respostas

Para as perguntas que bailavam na mente

Quem o mandou para a Lua para sempre?

Foi Deus, por faltar à missa ao domingo

Afirmando, precisar das silvas cortar

De castigo e dar o exemplo, ficou a penar.

Para mim, ficou uma grande consumição

Se o homem, um dia se descuida e cai ao chão?

Daí em diante, em todas as fases de Lua Cheia

Procurava o homem das silvas, por solidariedade

À noite, com as estrelas ocultas, depois da ceia

Porque a Lua brilhava tanto, prenhe de vaidade

O silêncio da noite era cortado pelo piar do mocho

Pelo regougar da raposa, que rondava a capoeira

No ribeiro, as rãs coaxavam uma sinfonia de felicidade

Ali, ficava encantada, até, que o meu ânimo era frouxo.

M. Odete Correia

Foto retirada da NET